1º Congresso da Famílias


1º Congresso da Famílias
A temática central do congresso será a FAMÍLIA CONTEMPORÂNEA
O mundo que vivemos hoje é de muita liberação, com isso os relacionamentos humanos se tornam cada dia mais difíceis.
Baseado neste sentido muitas pessoas pensam que a família se dirige a falência.
Igreja Vivendo a Palavra Ministerio Profético
Rua Santa Amália, 65 –Rio de Janeiro RJ
Vagas Limitadas.
dias 15, 16,17 e 18  de Janeiro
Ministerio de Casais Amovc
Pr. Zaqueu & Pra. Marlene
Tel:21-7863-5128

Tema:Cura para a ansiedade

Tema:Cura para a ansiedade
apreensão, preocupação, mesmo em pânico - nunca haverá cura para a ansiedade? Como o resfriado comum, quase todos experimentam ansiedade. Ninguém está imune aos seus efeitos. Nossa respiração se torna curta e libras nosso coração antes de uma visita do médico, o exame final, ou entrevista de emprego. É quando o medo ou preocupação constante impede o indivíduo de experimentar uma vida plena que se pode vítima de um transtorno de ansiedade:

  • Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG) - Um medo persistente de que algo está para acontecer.
  • Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC) - pensamentos indesejados ou comportamentos que parecem impossíveis de controlar.
  • Transtornos de Pânico - repetida, inesperados ataques de pânico, como o medo de estar em lugares onde a fuga ou ajuda seria difícil.
  • Fobia - um medo extremo improvável ou de um objeto específico, atividade, ou situação que, na realidade, apresenta pouco ou nenhum perigo.
  • Pós-traumático (TEPT) - O resultado de um evento real traumático ou risco de vida. Flashbacks e pesadelos são comuns.
  • Transtorno de Ansiedade Social - Um medo paralisante de humilhação pública ou ser visto negativamente por outros. "Medo do palco" é a forma mais comum de fobia social.
Aqueles que experimentam distúrbios graves e muitas vezes procurar ajuda profissional como uma cura para a ansiedade. No entanto, nem todo mundo que se preocupa ou tem medo sofre de um transtorno de ansiedade. Um horário de trabalho rigoroso, falta de sono ou exercício, mesmo a má nutrição, podem contribuir para sentir-se ansioso. Um estilo de vida pouco saudável produz estresse. Resultados de tensão quando o corpo responde às pressões e demandas colocadas sobre ela. Um distúrbio ocorre quando o estresse se torna insuportável.
Cura para a ansiedade - Entregar
Quando seus sobe de nível de estresse, encontrar uma cura para a ansiedade começa com aliviar a carga. Em muitos casos, certas responsabilidades precisam ser entregue a outros. A história é contada de um homem que se encontrou com Deus em um lindo vale um dia. O homem pediu a Deus se havia alguma coisa que ele poderia fazer por ele.Deus perguntou ao homem para puxar carroça de Deus encheu com três pedras de uma colina. O homem alegria começou sua ascensão ao longo da estrada sinuosa. Na primeira aldeia, uma pessoa se aproveitou da dedicação do homem a Deus, adicionando seu "rock apreensão" para o vagão. Ao se aproximar da segunda aldeia, o mais velho amigo do homem, John, acrescentou o seu saco "de seixos preocupação" a carga da carroça. Com cada em peso, mais de paragem foi tomada em, fazendo a carga insuportável. Logo ressentimento substituído regozijo. Superar a ansiedade, o homem clamou a Deus: "Eu não sou apenas forte o suficiente!" Um por um Deus descarregou os itens em excesso do vagão.Então Deus disse a ele: "Eu sei que você estava tentando ajudar, mas quando você está sobrecarregada com todos esses cuidados, você não pode fazer o que eu pedi de você."

  • Você sobrecarregado de responsabilidades? "Lança toda sua ansiedade, porque ele [Deus] cuidado de vós" ( 1 Pedro 5:7 ).
  • Você recebe o apoio emocional que você precisa? "Portanto, não temas, porque eu sou contigo, não te espantes, porque eu sou teu Deus. Eu te fortaleço, e te ajudar. . . "( Salmo 41:10 ).
  • Você agendar tempo diário para relaxamento e renovação? "Até mesmo os jovens crescem cansados ​​e oprimidos, e os jovens tropeçam e caem, mas os que esperam no Senhor renovam as suas forças. . . ( Isaías 40:31 ).
  • Você está cuidando do seu corpo (nutrição, exercício)? "Você [Deus] não. . . vestir-me com a pele e carne e cobriste-me de ossos e nervos? Você me deu vida e me mostrou a bondade, e em sua providência [direção divina] assistiu sobre o meu espírito "( Jó 10:10-11 ).
  • Você pedir ajuda quando você precisar dele? "Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na angústia" ( Salmo 46:1).
Cura para a ansiedade - Esperança no caos
há alguém que entende suas ansiedades e medos. Ele é um restaurador: "Vou curar o meu povo e vai deixá-los desfrutar de paz abundante e segurança" (Jeremias 33:6). Nosso cansaço vem isolando-nos de Deus."Vinde a mim, todos os que estais cansados ​​e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. . . o meu jugo é suave eo meu fardo é leve "(Mateus 11:28-30).

http://www.allaboutlifechallenges.org/common/images/light1x1.gif



DINÂMICA PARA CASAIS






  MEDIDOR DE ESTRESSE
MATERIAL: Balões de duas cores, uma cor para os homens e outra para as mulheres.
OBJETIVO: Conscientizar o casal da necessidade de não permitir que ansiedades e irritações do dia a dia sejam transferidas para o relacionamento, pois de tanto “encher a paciência” do outro, ele poderá “explodir”. (Dizer só no final).
DESENVOLVIMENTO: Cada um de vocês recebeu um balão e ele é um “medidor de estresse”. Vamos medir o nível de estresse do seu relacionamento, proveniente das ansiedades e irritações do dia a dia. A cada pergunta que fizermos, se a resposta for NÃO ME ESTRESSO, não sopre. Mas se for:
– ME ESTRESSO UM POUCO – dê um sopro
– ME ESTRESSO BASTANTE - dê dois sopros
– ME ESTRESSO E VOU EXPLODIR! - dê três sopros
1- Quando seu cônjuge atrasa…
2- Quando seu cônjuge deixa as coisas bagunçadas…
3- Quando seu cônjuge não avisa que vai demorar…
4- Quando seu cônjuge não ajuda a controlar os filhos…
5- Quando seu cônjuge está nervoso com o trabalho…
6- Quando seu cônjuge traz o trabalho para casa…
7- Quando seu cônjuge não tem tempo para os filhos…
8- Quando seu cônjuge não tem tempo para você…
9- Quando seu cônjuge se esquece dos compromissos…
10- Quando seu cônjuge não cumpre ou adia as promessas…
11- Quando seu cônjuge reclama demais…
12- Quando seu cônjuge te dá um gelo e fica amuado…
13- Quando seu cônjuge se fecha para o diálogo…
14- Quando seu cônjuge só vê os defeitos…
15- Quando seu cônjuge não se dá bem com seus familiares…
16- Quando seu cônjuge faz greve de carinhos e tudo o que vem depois…
17- Há quantos anos estas coisas te estressam? Dê um sopro para cada 5 anos…
AVALIAÇÃO:
- Peça só as mulheres para levantarem os balões, depois só os homens. Quem anda mais estressado?
- Peça aqueles cujos balões estouraram para levantar a mão, primeiro às mulheres, depois os homens.
- Perguntar: Quem anda mais estressado? Por quê?
- Perguntar: Quem não tinha percebido que seu cônjuge estava tão estressado?
- Pedir que conversem por alguns minutos sobre duas questões: O que eu devo fazer para me estressar menos com estas e outras situações? O que eu posso fazer para ajudar o outro a ter menos irritações e melhorar nosso relacionamento?
MINISTRAÇÃO: Pedir que repitam Filipenses 4:5 a 7. Entregue no altar tudo que está trazendo-lhe ansiedade e tirando sua paz e do seu cônjuge. Peça ao Senhor que te encha com o sopro do seu Espírito. Que os frutos do Espírito de Deus que habita em você possam encontrar espaço para crescer e amadurecer em seu coração…
Obs: Se vai haver uma palestra sobre o assunto após a dinâmica, pode-se omitir a ministração, deixando-a a cargo do palestrante.

Família Cristã: Ensinamentos para seus Filhos !




(Provérbios 1:1-33)”.
1) Ensine o temor do Senhor (verso 7)
“7 O temor do SENHOR é o princípio do saber…” Com certeza vocês querem ter um filho sábio, esperto, maduro e inteligente. Saiba que
 toda esta esperteza deve estar alicerçada no respeito e compreensão das coisas de Deus. Para isso:
a) Ensine a Bíblia para seu filho
b) Ensine-o a orar
c) Ensine-o a respeitar as coisas de Deus
2) Ensine o diálogo (versos 8-9)
“8 Filho meu, ouve o ensino de teu pai e não deixes a instrução de tua mãe…” Seu filho só vai aprender a ouvir, se vocês, bem cedo, aprenderem a conversar com ele (mas nunca é tarde para começar). Mas o que conversar? Esqueçam a idéia de que vocês devem conversar coisas sérias, profundas e espirituais; conversem sobre tudo: cinema, moda, jogos, namoro, sexo, certo-errado, dinheiro, profissão, Deus, etc… Saiba que:
a) O diálogo é fundamental no processo de formação do caráter do seu filho
b) O diálogo vai criar aproximação e segurança entre vocês
c) O diálogo vai criar admiração e respeito por vocês
3) Ensine sobre as más companhias (versos 10-11)
“10 Filho meu, se os pecadores querem seduzir-te, não o consintas.” As más companhias são como erva-daninha, não precisa plantar, elas nascem sozinhas. Não se iluda achando que seu filho não se relacionará com pessoas más. As pessoas são más; até muitos que estão na igreja possuem uma índole má. Portanto:
a) Prepare seu filho para essas pessoas; que ele influencie e não seja influenciado
b) Prepare um ambiente onde os amigos dele estejam no habitat de vocês (casa, igreja, sairem juntos, etc…), e não o contrário
4) Ensine sobre a ganância (versos 10-19)
“…13 acharemos toda sorte de bens preciosos; encheremos de despojos a nossa casa…” e “…19 Tal é a sorte de todo ganancioso; e este espírito de ganância tira a vida de quem o possui.” A ganância está ligada a inveja, a ambição e o desejo desenfreado. Não estimule seu filho a desejar coisas (TER); encoraje-o a ser alguém de caráter cristão (SER). Ensine-o sobre:
a) Consumismo
b) Inveja
c) Ciúmes
d) Egoísmo
5) Ensine que a vida é dura (versos 24-27)
“27 …em vindo o vosso terror como a tempestade, em vindo a vossa perdição como o redemoinho, quando vos chegar o aperto e a angústia.” A vida é dura, e nem sempre justa. Muitas vezes ele estará tranqüilo, feliz e estabilizado e algo pode acontecer e mudar todo o rumo da história. Por que a vida é dura?
a) Muitas vezes a dureza da vida virá devido a nossa atitude para com a vida (rebeldia, insubmissão, orgulho, grosseria, etc…)
b) Outras vezes virá pelo simples fato de que a vida é dura e não é justa
6) Ensine sobre a lei da semeadura (verso 31)
“…31 Portanto, comerão do fruto do seu procedimento e dos seus próprios conselhos se fartarão.” Tudo que o homem plantar, isso também colherá (GL 6:7). Já dizia o ditado: “Quem planta vento, colhe…” Ensine-o que ele sofrerá as conseqüências das suas decisões, sejam elas boas ou más.
7) Ensine sobre a falsa segurança (verso 32)
“…32 Os néscios são mortos por seu desvio, e aos loucos a sua impressão de bem-estar os leva à perdição…” As vezes estamos convictos de que tudo dará certo, e tudo dá errado (um negócio, uma compra, um namoro, etc…). Essa falsa impressão de segurança vem pelo desvio dos princípios Bíblicos. Afastamo-nos de Deus e pensamos que somos senhores de nosso próprio destino. Isso é um erro gravíssimo. Quando você perceber que seu filho está auto-suficiente demais:
a) Oriente-o com a Palavra de Deus
b) Ore por ele e com ele
c) Reveja sua forma de educar e, se necessário, mude

Formatura do Curso para Casais


Ministério de Casais Amovc
Formatura do Curso para Casais
1ª turma do Curso para Casais.
O Pastor Zaqueu Medeiros , que trabalha com casais há anos, disse  que dentre todos os ensinamentos ministrados no curso, os que ele elencaria como ensinamentos chaves, seria
Comunicação no Lar ,Porque neste curso nós aprendemos coisas que servem de direcionamento para uma vida feliz em família”.
 PARABÉNS FORMANDOS

Casamento Cristão: Respeitando o seu Marido



“Você tem um minuto?”, perguntou-me uma mulher quando deixei o púlpito e me dirigi a uma mesa nos fundos para autografar livros. Ela estava quieta, mas eu podia sentir o seu desespero.
“Claro que sim”, respondi.
“É sobre o meu marido; eu já não o respeito, e não sei o que fazer sobre isso. Estou frustrada. As coisas não vão bem entre nós há muito tempo. Eu queria desistir, mas sei que esta não é a atitude mais ‘cristã’ a tomar. Eu tento. De verdade, eu tento, mas as coisas nunca melhoram”, disse ela, com lágrimas inundando os seus olhos. Pela maneira como mantinha a sua voz baixa e pelos seus constantes olhares para certificar-se de que não houvesse ninguém próximo o suficiente para ouvir a nossa conversa, suspeitei que as outras mulheres que, como ela, freqüentavam os cultos naquela igreja, não fizessem idéia de sua mágoa.
Meu coração doeu por esta mulher, porque eu conhecia a sua dor. A dor profunda e constante escondida por trás dos risos e do exterior perfeito. Se dez mulheres estivessem em fila, e você tivesse que escolher aquela que julgasse estar à beira do divórcio, esta seria a última a ser escolhida. Já fui como ela.
“Você diz que não o respeita mais?”, perguntei, esperando identificar superficialmente a fonte de sua dor.
“Ele já cometeu tantos erros, e honestamente não consigo encontrar uma razão para respeitá-lo”, ela respondeu.
“Embora não conheça as suas circunstâncias, entendo o sentimento de querer desistir do seu casamento. Houve uma época em meu casamento em que eu também quis desistir. Mas não o fiz, porque Deus me deu um versículo que modificou a minha perspectiva com relação ao casamento. Você já ouviu falar do versículo em que Jesus diz: ‘E, respondendo o Rei, lhes dirá: Em verdade vos digo que, quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes’ (Mt 25.40)? Esse versículo me ajudou a entender que, quando eu estava tão frustrada ou zangada com o meu marido que já não conseguia respeitá-lo nem mostrar-lhe alguma bondade, ele se tornava, aos meus olhos, o “menor dos irmãos” de Jesus. Essa ocasião tornou-se uma época oportuna para fazer alguma coisa preciosa para Jesus. Se eu amar o meu marido quando ele não for digno de ser amado, tocarei o coração de Deus”.
Os olhos dela brilharam. “Você acha que conseguiria tirar o seu marido da equação, e considerar o respeito que você dedica a ele como sendo o respeito que você dedica a Jesus; ou ainda será que poderia considerar que servindo a ele estará servindo a Jesus; e que amá-lo também seria uma prova de seu amor a Jesus?”, perguntei.
“Acho que consigo fazer isso. Obrigada”, ela disse, e enxugou as lágrimas, levantou a cabeça e foi embora.
Pode ser que nós nunca saibamos até que ponto Jesus toma para si os nossos atos para com os nossos maridos, mas sei o seguinte: quando sirvo, amo e respeito o meu marido como fazendo-o a Jesus, modifico as minhas atitudes. É como se Deus falasse ao meu cora­ção com esse versículo e mudasse a minha perspectiva para sempre.
Observe como Deus modificou o coração da irmã Mary Rose McGready, presidente da Covenant House, o maior abrigo para crianças sem lar da América. Em seu livro, Please Help Me God, onde ela escreve sobre um pedido de ajuda a Deus, está escrito: “Na rua, vi uma garotinha tremendo, em um vestido fino, com pouca esperança de conseguir uma refeição decente. Fiquei zangada e pergun­tei a Deus: ‘Por que você permite isso? Por que você não faz alguma coisa a respeito disso?’ E Deus respondeu: ‘Com certeza fiz alguma coisa a respeito disso; fiz você’”.’ Dizemos que os nossos maridos não são compreensivos.
Dizemos que não são sensíveis. Fazemos longas listas daquilo que falta aos nossos maridos. Com certeza Deus fez alguma coisa a este respeito: Ele nos criou! Lembra-se do Jardim do Éden? A única vez em que Deus disse que alguma coisa não estava bem enquanto criava os céus e a terra, foi em Gênesis 2.18: “E disse o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma adjutora que esteja como diante dele [ou, que lhe seja idônea]“. Então o Senhor criou a mulher para ser uma ajudante adequada para o homem para ajudá-lo a ser o que Deus pretendia que ele fosse.
Joel, um dos homens que entrevistei durante a preparação deste livro, trouxe-me um grande esclarecimento sobre este tema. Ele disse Pergunte a cada esposa o que gostaria que seu marido fosse: Um líder espiritual melhor? Mais compassivo? Um pai melhor? Um mantenedor melhor? Comece construindo sobre o que já está lá, mostrando respeito e dando incentivo. Talvez ele ore uma vez durante uma refeição em família; construa sobre isto. A partir daí ele pode tornar-se um grande líder espiritual”.
O texto em Provérbios 31.10-12 diz: “Mulher virtuosa, quem a achará? O seu valor muito excede o de rubis. O coração do seu marido está nela confiado, e a ela nenhuma fazenda faltará. Ela lhe faz bem e não mal, todos os dias da sua vida”. O versículo 23 continua “Conhece-se o seu marido nas portas [ou, o seu marido é respeitado nas portas da cidade], quando se assenta com os anciãos da terra”. O que será que o seu marido pode se tornar se tiver o seu respeito, o seu apoio e o seu incentivo? Dar-lhe respeito, quer o me­reça ou não, é uma atitude que agrada a Deus e transformará seu marido. Esta maneira de agir fez maravilhas no meu casamento.
Construindo o seu Relacionamento – Tenha hoje a atitude e o coração de um servo. Procure maneiras de servir ao seu marido como serviria a Jesus.
Pensamento para o Dia – Mulher virtuosa, quem a achará? O seu valor muito excede o de rubis. O coração do seu marido está nela confiado, e a ela nenhuma fazenda faltará. Ela lhe faz bem e não mal, todos os dias da sua vida.
Provérbios 31.10-1
Trecho do Livro: Cative o coração Dele -Lysa TerKeurst
www. estudoscristaos.com.br

1º Jantar com Palestra para Casais


Ministério de Casais Amovc

Pr. Zaqueu & Pra. Marlene

1º Jantar com Palestra para Casais

Igreja Batista Nacional Peniel em Piedade
Lideres de Casal: Alexandre e Ana / César e Margarete
Telefones para contatos
Tel. 21-8113-4503-2596-3521
 

SEMINÁRIO PARA CASAIS


PR.ZAQUEU & PRA. MARLENE
MINISTERIO DE CASAIS AMOVC
DIA, 10.11.2012  19:30 HS
ASSEMBLEIA DE DEUS MISSÃO APOSTÓLICA BETEL
RUA ALEXANDRE CRUZ, 12 - NOVA CIDADE - SÃO GONÇALO
APOSTOLO JUVENIL
 Maiores informações sobre o seminário: Tel 21-7861-6916

Tema:37 Coisas que se Deve dizer ao Cônjuge


Um casamento feliz é um porto seguro onde podemos relaxar e nos recuperar das tensões do dia-a-dia. Precisamos ouvir coisas positivas de nosso companheiro ou companheira. Da mesma forma que eu reuni alguns amigos para relacionarem uma lista do que NÃO se deve dizer ao cônjuge, eles também sugeriram o que gostariam de ouvir.
Belo trabalho!
Você é maravilhoso(a).
O que você fez foi muito bom.
Você está deslumbrante hoje.
Eu não me completo sem você.
Agradeço tudo o que você tem feito por mim em todos esses anos.
Você está em primeiro lugar na minha vida, antes dos filhos, da carreira, dos amigos, de tudo.
Estou feliz por ter-me casado com você.
Você é o(a) meu (minha) melhor amigo(a).
Se tivesse de começar tudo de novo, eu me casaria com você.
Como quis ter você ao meu lado hoje!
Senti sua falta hoje.
Não consegui parar de pensar em você hoje.
É bom acordar a seu lado.
Você sempre será o meu amor.
Adoro ver o brilho em seus olhos quando você sorri.
Como sempre, você está com uma ótima aparência hoje.
Eu confio em você.
Eu sempre posso contar com você.
Você faz com que eu me sinta bem.
Estou muito orgulhoso(a) por ter-me casado com você.
Sinto muito.
O erro foi meu.
Do que você gosta?
Em que você está pensando?
Quero ouvir com atenção.
Você é muito especial.
Não posso imaginar viver sem você.
Eu gostaria de ser um(a) companheiro(a) melhor.
O que posso fazer para ajudar você?
Ore por mim.
Estou orando por você hoje.
Eu aprecio cada momento que passamos juntos.
Obrigado(a) por me amar.
Obrigado(a) por me aceitar.
Obrigado(a) por ser meu (minha) companheiro(a).
Você torna meus dias mais brilhantes.
Steve Stephens.



Tema:Casamento Cristão: Respeitando o seu Marido
“Você tem um minuto?”, perguntou-me uma mulher quando deixei o púlpito e me dirigi a uma mesa nos fundos para autografar livros. Ela estava quieta, mas eu podia sentir o seu desespero.
“Claro que
 sim”, respondi.
“É sobre o meu marido; eu já não o respeito, e não sei o que fazer sobre isso. Estou frustrada. As coisas não vão bem entre nós há muito tempo. Eu queria desistir, mas sei que esta não é a atitude mais ‘cristã’ a tomar. Eu tento. De verdade, eu tento, mas as coisas nunca melhoram”, disse ela, com lágrimas inundando os seus olhos. Pela maneira como mantinha a sua voz baixa e pelos seus constantes olhares para certificar-se de que não houvesse ninguém próximo o suficiente para ouvir a nossa conversa, suspeitei que as outras mulheres que, como ela, freqüentavam os cultos naquela igreja, não fizessem idéia de sua mágoa.
Meu coração doeu por esta mulher, porque eu conhecia a sua dor. A dor profunda e constante escondida por trás dos risos e do exterior perfeito. Se dez mulheres estivessem em fila, e você tivesse que escolher aquela que julgasse estar à beira do divórcio, esta seria a última a ser escolhida. Já fui como ela.
“Você diz que não o respeita mais?”, perguntei, esperando identificar superficialmente a fonte de sua dor.
“Ele já cometeu tantos erros, e honestamente não consigo encontrar uma razão para respeitá-lo”, ela respondeu.
“Embora não conheça as suas circunstâncias, entendo o sentimento de querer desistir do seu casamento. Houve uma época em meu casamento em que eu também quis desistir. Mas não o fiz, porque Deus me deu um versículo que modificou a minha perspectiva com relação ao casamento. Você já ouviu falar do versículo em que Jesus diz: ‘E, respondendo o Rei, lhes dirá: Em verdade vos digo que, quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes’ (Mt 25.40)? Esse versículo me ajudou a entender que, quando eu estava tão frustrada ou zangada com o meu marido que já não conseguia respeitá-lo nem mostrar-lhe alguma bondade, ele se tornava, aos meus olhos, o “menor dos irmãos” de Jesus. Essa ocasião tornou-se uma época oportuna para fazer alguma coisa preciosa para Jesus. Se eu amar o meu marido quando ele não for digno de ser amado, tocarei o coração de Deus”.
Os olhos dela brilharam. “Você acha que conseguiria tirar o seu marido da equação, e considerar o respeito que você dedica a ele como sendo o respeito que você dedica a Jesus; ou ainda será que poderia considerar que servindo a ele estará servindo a Jesus; e que amá-lo também seria uma prova de seu amor a Jesus?”, perguntei.
“Acho que consigo fazer isso. Obrigada”, ela disse, e enxugou as lágrimas, levantou a cabeça e foi embora.
Pode ser que nós nunca saibamos até que ponto Jesus toma para si os nossos atos para com os nossos maridos, mas sei o seguinte: quando sirvo, amo e respeito o meu marido como fazendo-o a Jesus, modifico as minhas atitudes. É como se Deus falasse ao meu cora¬ção com esse versículo e mudasse a minha perspectiva para sempre.
Observe como Deus modificou o coração da irmã Mary Rose McGready, presidente da Covenant House, o maior abrigo para crianças sem lar da América. Em seu livro, Please Help Me God, onde ela escreve sobre um pedido de ajuda a Deus, está escrito: “Na rua, vi uma garotinha tremendo, em um vestido fino, com pouca esperança de conseguir uma refeição decente. Fiquei zangada e pergun¬tei a Deus: ‘Por que você permite isso? Por que você não faz alguma coisa a respeito disso?’ E Deus respondeu: ‘Com certeza fiz alguma coisa a respeito disso; fiz você’”.’ Dizemos que os nossos maridos não são compreensivos.
Dizemos que não são sensíveis. Fazemos longas listas daquilo que falta aos nossos maridos. Com certeza Deus fez alguma coisa a este respeito: Ele nos criou! Lembra-se do Jardim do Éden? A única vez em que Deus disse que alguma coisa não estava bem enquanto criava os céus e a terra, foi em Gênesis 2.18: “E disse o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma adjutora que esteja como diante dele [ou, que lhe seja idônea]“. Então o Senhor criou a mulher para ser uma ajudante adequada para o homem para ajudá-lo a ser o que Deus pretendia que ele fosse.
Joel, um dos homens que entrevistei durante a preparação deste livro, trouxe-me um grande esclarecimento sobre este tema. Ele disse Pergunte a cada esposa o que gostaria que seu marido fosse: Um líder espiritual melhor? Mais compassivo? Um pai melhor? Um mantenedor melhor? Comece construindo sobre o que já está lá, mostrando respeito e dando incentivo. Talvez ele ore uma vez durante uma refeição em família; construa sobre isto. A partir daí ele pode tornar-se um grande líder espiritual”.
O texto em Provérbios 31.10-12 diz: “Mulher virtuosa, quem a achará? O seu valor muito excede o de rubis. O coração do seu marido está nela confiado, e a ela nenhuma fazenda faltará. Ela lhe faz bem e não mal, todos os dias da sua vida”. O versículo 23 continua “Conhece-se o seu marido nas portas [ou, o seu marido é respeitado nas portas da cidade], quando se assenta com os anciãos da terra”. O que será que o seu marido pode se tornar se tiver o seu respeito, o seu apoio e o seu incentivo? Dar-lhe respeito, quer o me¬reça ou não, é uma atitude que agrada a Deus e transformará seu marido. Esta maneira de agir fez maravilhas no meu casamento.
Construindo o seu Relacionamento – Tenha hoje a atitude e o coração de um servo. Procure maneiras de servir ao seu marido como serviria a Jesus.
Pensamento para o Dia – Mulher virtuosa, quem a achará? O seu valor muito excede o de rubis. O coração do seu marido está nela confiado, e a ela nenhuma fazenda faltará. Ela lhe faz bem e não mal, todos os dias da sua vida.
Provérbios 31.10-1
Trecho do Livro: Cative o coração Dele -Lysa TerKeurst
Ministério Da Família Peniel Em Piedade

Ministério Da Família Peniel Em Piedade



Ministério Da Família Peniel Em Piedade
Curso de Liderança
sexta 19:30 17.08.2012
Igreja Batista Nacional Peniel em Piedade
Rua Teixeira de Pinho 130 - Piedade
Tel: 21- 8113-4503
am.vega@bol.com.br
Procurar Alexandre e Ana Batista Peniel
Apoio: Ministerio de Casais Amovc
Coordenadores
Pr. Zaqueu Medeiros & Pra. Marlene Medeiros

TEMA: CUIDE BEM DE SI MESMO PARA TER UM CASAMENTO BEM CUIDADO



  TEMA:CUIDE BEM DE SI MESMO PARA TER UM CASAMENTO BEM CUIDADO


Algumas pessoas carregam tristezas, complexos e traumas por muito tempo. Na maioria dos casos, esses sentimentos tiveram início lá atrás na infância e adolescência, na família d
e origem.

Como não encaram esses sentimentos nem os resolvem, apenas fingem que não precisam de cura interior, acabam fazendo da fase de solteira (o) um período triste, recalcado e sem graça vivendo em desespero e em função do dia que vão arranjar alguém e finalmente se casar.

Não é fácil estar solteira (o) mas também não é o fim do mundo. Viver se sentindo um lixo apenas porque ainda não encontrou alguém é a coisa mais deprimente que existe e ninguém quer uma pessoa assim desesperada, nem mesmo você, não é mesmo?

Pesquisas indicam que pessoas que são felizes solteiras têm mais chance de serem felizes num relacionamento.

Isso é bem óbvio, afinal casamento não muda uma pessoa. Quando se casa leva consigo quem é de verdade e se não era uma pessoa feliz e realizadora, é exatamente isso que terá para oferecer num casamento.

Mas as pessoas ficam fantasiando que quando casarem serão felizes porque aí terão uma pessoa e não serão mais solitárias, porém esquecem que o papel do outro não é me fazer feliz e satisfazer, tapar meus buracos e satisfazer minhas carências que eu carreguei para dentro do meu casamento.

Ainda que uma pessoa me ame e seja companheira, é pesado demais jogar sobre ela a obrigação e a responsabilidade de fazer aquilo que nem eu mesma consegui fazer por mim: me dar felicidade e realização.

Relacionamento é um completando o outro não um carregando o outro. Nosso papel é dar amor e companheirismo não ser um peso, uma cobrança, a exigência e acusação em pessoa.

O que acontece em relacionamentos baseados nesses tipos de comportamentos é que não sobrevivem a nenhum problema que dirá uma tempestade.

Ficam um acusando o outro e nenhum assume de verdade sua participação na tragédia que virou o casamento. Por mais que o outro erre isso NUNCA muda ou diminui meus erros e reconhecer, ainda quê seja apenas eu, já é um princípio de cura, porque como parte do relacionamento e uma só carne eu também tenho minhas responsabilidades e não justifica ignorar, fazer-se de desentendida (o) porque isso não engana a Deus, nem muda de verdade a situação.

Por isso, faça uma análise da sua vida. Talvez você saiba de cor e salteado os erros do seu cônjuge mas nem sequer parou para ver os seus erros e as suas atitudes negativas.

Deus só deu uma vida para cada um, não é mesmo? Porque será? Para que cada um cuide da sua.

Mas, quando casamos acabamos esquecendo que ainda que sejamos uma só carne cada um responde por suas escolhas e não adiante culpar o outro, Diante Deus responderemos por nossas atitudes e não poderemos falar: AH! DEUS! EU SÓ SAI DE CASA POR CAUSA DELE, EU DISSE ISSO PORQUE ELA ME DEIXOU NERVOSA, EU GRITEI MAS ELA TAMBÉM ESTAVA GRITANDO, etc.

Muitas pessoas estão sozinhas porque diante das opções fizeram a pior escolha. Podiam escolher ficar em casa e resolver o problema mas preferiram sair. Podiam ter tido mais paciência e tolerância, serem mulheres sábias mas preferiram se loucas e machucar toda a família.

Existem muitas situações criadas por satanás para destruir nosso casamento e nossa família. Para isso devemos orar, jejuar e estar debaixo da cobertura da igreja.

Existem também situações provocadas por nós mesmos. A Bíblia fala que aquilo que o homem plantar isso vai colher. Então pelos frutos você verá o que plantou porque a palavra de Deus não mente.

Seus filhos não te agüentam? Preferem ficar isolados ao estar em sua companhia? Seu marido não te suporta ou sua esposa nem pode ouvir a sua voz?

Você pode culpar todos eles e se fazer de marte dizendo que é a melhor mãe ou pai do mundo e ninguém te compreende. Mas se for inteligente e tiver coragem vai olhar para dentro de si e começar uma mudança que alcançará todos a sua volta e com certeza seus relacionamentos serão frutíferos, abençoados e firmados na rocha que é Jesus.

SE VOCÊ ESTÁ NA ROCHA NADA PODERÁ TE TIRAR DE LÁ, MAS SENÃO ESTÁ TUDO A SUA VOLTA PODERÁ SER ABALADO.
TEMA: Para refetir... Parte 1

TEMA: Para refetir... Parte 1



Para refetir... Parte 1


Tema A visão de Deus diante de um casamento infeliz

Fonte: Sepal - David Kornfield é missionário da Sepal

O número de casamentos infelizes está crescendo. O número de divórcios reflete isso. Nos Estados Unidos, pesquisadores, como Barna, indicam que a porcentagem de divórcios entre os que se chamam evangélicos é igual a da população de forma geral. Uma pesquisa Gallup indicou que 10% dos protestantes e 10% dos católicos são divorciados e que 26% dos protestantes e 23% dos católicos já foram divorciados em algum momento. Mais de um milhão de crianças, nos Estados Unidos, sofrem o divórcio de seus pais a cada ano e mais de 50% das que nascerão este ano experimentarão o divórcio de seus pais antes de completarem 18 anos. (Veja o Relatório Executivo ao final deste artigo.)Será que o Brasil seguirá esse rumo? Será que as igrejas evangélicas andarão nesse caminho? Afirmamos categoricamente que Deus ama os divorciados, que a igreja deve ser um lugar seguro para eles, oferecer esperança e um contexto apropriado para restaurar suas vidas. Ao mesmo tempo, se a igreja reflete a sociedade de forma geral quanto ao número de seus membros que procuram o divórcio, temos que admitir que o evangelho perdeu seu poder. A igreja precisa ser um lugar seguro não apenas para divorciados, mas também para os que acreditam no casamento e estão dispostos a lutar por um casamento saudável.Por que o casamento é tão importante para Deus? Por que Ele insiste “que o que Deus uniu, ninguém separe” (Mt 19.6)? Os propósitos de Deus para o casamento incluem:Revelar a imagem e semelhança d’Ele e os Seus propósitos em nos criar, abrindo um espaço para experimentarmos a comunhão que Ele tem na Trindade (Gn 1.26, 27).Resolver a solidão que aflige o homem desde antes da queda (Gn 2.18).


Dar a cada pessoa a oportunidade de formar uma nova família, principalmente para aquele cuja família de origem era disfuncional (Gn 2.24; Mt 19.5, 6; Ef 5.31).Celebrar, no ato sexual, uma intimidade não apenas física, mas emocional e espiritual. Deus faz questão que esse ato expresse verdadeiro amor, pureza e aliança (pacto), reservando-o, por essa razão, para o casamento (Gn 2.24).Dar-nos alguém com quem podemos ser transparentes, autênticos, sem experimentar vergonha (Gn 2.25). O desejo d’Ele é que possamos amar e ser amados sem medo, porque o verdadeiro amor expulsa o medo (1 Jo 4.18).Revelar a grandeza do amor de Cristo por nós como sua Noiva, a Igreja (Ef 5.22-32). A história, de Gênesis a Apocalipse, enfatiza o amor de Jesus por sua Noiva e nós recebemos o privilégio de ser um espelho desse amor. Sua aliança, Sua fidelidade e Seus propósitos eternos revelam-se no casamento. Dessa forma, não devemos ficar surpresos ao saber que Satanás empenha todos os seus esforços para acabar com casamentos saudáveis, prejudicando a muitos, tornando essa união numa relação intensamente infeliz para muitas pessoas. Se Deus, por Sua vez, não fizesse um compromisso de aliança conosco no casamento, não teríamos chances de nos aproximar dos Seus propósitos eternos. Um casamento saudável é realmente glorioso! E um infeliz, pode tornar-se num inferno, destruindo não apenas o casal, mas a família, e espalhando essa herança negativa às gerações seguintes.



A Bíblia traduz o coração d’Ele nesse sentido em quatro passagens, com os seguintes temas:Mal 2.10, 13-17 – Deus odeia o divórcio e a violência.Mt 19.3-12 – Não devemos nos divorciar a não ser no caso de adultério.1 Co 7.1-17 – Bases bíblicas para o divórcio e novo casamento da parte dos crentes.1 Pe 3.1-9 – Como tratar um cônjuge descrente. Quando peço que pessoas infelizes leiam esses textos para ouvir a Deus sobre sua situação, muitas simplesmente desprezam a perspectiva bíblica e continuam focalizando a sua dor, seu sofrimento, sua infelicidade.O mundo, a carne e o diabo juntam-se para nos convencer de que nossa felicidade é o que deve nortear nossas vidas. Esta crença, e os espíritos atrás dela, enganam o mundo e querem enganar os santos. A teoria do humanismo exalta o ser humano como um deus, ele é o mais importante. O espírito do individualismo exalta o indivíduo e sua realização pessoal. O hedonismo exalta o prazer e o “direito” de orientar a vida pela busca a qualquer preço da felicidade.Muitas pessoas que sofrem em seus casamentos estão desnorteadas; focalizam mais sua dor que Cristo; preocupam-se mais com seu sofrimento do que em serem fiéis a Ele. Em parte é compreensível, porque quem sofre muito tende a perder a perspectiva sã e equilibrada. O problema aprofunda-se quando os pastores destas pessoas se perdem na dor delas também, apoiando-as na procura de sua felicidade através do divórcio. Essa procura da felicidade perde totalmente de vista as palavras de Jesus, quando disse: “Quem não toma a sua cruz e não me segue, não é digno de mim. Quem acha a sua vida a perderá, e quem perde a sua vida por minha causa a encontrará” (Mt 10.38, 39).
Precisamos lembrar que o sofrimento é parte natural do chamado cristão. Somos bem-aventurados quando insultados, perseguidos e caluniados por causa de Jesus (Mt 5.11). Paulo considerou tudo como lixo, como perda, como esterco para poder realmente conhecer a Cristo.


Ele resume sua visão, dizendo: “Quero conhecer Cristo, o poder da sua ressurreição e a participação em seus sofrimentos, tornando-me como ele em sua morte” (Fp 3.10). Deus e a Bíblia lidam seriamente com o assunto do sofrimento. Um livro inteiro da Bíblia é dedicado ao sofrimento injusto (Jó), os Salmos expressam com muita honestidade a dor e sofrimento do salmista; 1 Pedro foi escrito especificamente para crentes que sofrem nas mais diversas situações (na sociedade, no emprego e no casamento). Pedro ressalta que Jesus é nosso exemplo de como enfrentar o sofrimento e que devemos andar em Seus passos (1 Pe 2.21).Todos sofremos, crentes e não-crentes, doenças, problemas financeiros, morte de alguém querido, assalto, casamento difícil... Como o cristão responde a esse sofrimento pode ou não refletir a glória de Deus e o exemplo de nosso Senhor e Salvador. Caráter forma-se na fornalha. Paulo considera que “os nossos sofrimentos atuais não podem ser comparados com a glória que em nós será revelada” (Rm 8.18). Conheço poucas pessoas que têm sofrido fisicamente tanto quanto minha filha, Karis, que, com uma doença crônica, passou grande parte de sua vida com dor, internada em hospitais e diversas vezes desenganada pelos médicos. Mas a glória de Deus que vejo nela me emociona. Quem sofre no casamento tem um convite para esse caminho de glória. Há também a opção de fugir desse caminho estreito, trocando a glória de Deus por sua própria felicidade. Lembremos: felicidade e alegria não são sinônimos. Felicidade é circunstancial, afetada por muitas coisas, como desemprego, dor, conflitos e adversidade. Alegria é um fruto contínuo do Espírito (Gl 5.22, 23) e uma expressão fundamental do reino de Deus (Rm 14.7).
Saber a diferença e viver nessa alegria não é algo automático; é um aprendizado. Paulo aprendeu a adaptar-se e contentar-se em “toda e qualquer circunstância” através da graça de Deus que o fortalecia (Fp 4.11-13). Deus quer que tenhamos uma alegria que não dependa do nosso cônjuge.

http://www.lideranca.org/mapi-sepal.htm
Tema: Sua família NÃO é um caso difícil demais para Deus

Tema: Sua família NÃO é um caso difícil demais para Deus



Tema:Sua família NÃO é um caso perdido ou difícil demais para Deus: Ele quer e vai restaurar o seu casamento
Restauração Familiar 
(Gênesis 37:4-11, 47:1-4 e 12-13; Atos 16:31)

A promessa do Senhor é que a benção que está sobre nós se este
nderá sobre as nossas famílias. A obra iniciada em nós se estenderá sobre os nossos amados, e a restauração completa se estabelecerá sobre os nossos lares. O plano original de Deus para o homem era uma família, pois não era bom que ele estivesse só.

Um detalhe interessante na criação é que Deus só descansou após ter criado Eva e completado a visão de família. O intento do diabo desde o início é roubar e distorcer a verdade de Deus para as nossas vidas. Por isso temos vivido um tempo onde grandes ataques têm se levantando contra a família. Casamentos destruídos, violência, abusos, vícios, adultério, são algumas situações que infelizmente tem se tornado comum em nossos dias, mas o Senhor colocará sobre nós a unção que despedaçará todo o jugo de destruição familiar.

A vida de José foi marcada por oposições e traições. Ele enfrentou uma série de dificuldades, pois Deus tinha um plano de salvação para sua família e para sua descendência. Debaixo de uma conduta irrepreensível, a despeito dos lugares e das circunstâncias, ele permaneceu firme até que Deus o restaurasse e o colocasse em honra, numa posição que foi fundamental para que os seus amados fossem livres da fome que assolava Canaã.

Seguindo o exemplo de conduta de José, nós também seremos uma grande benção para as nossas famílias e para todos os que estão a nossa volta.

O EXEMPLO DE JOSÉ
1. Enfrentar a oposição familiar sabendo que a nossa luta não é contra a carne "E viram-no de longe e, antes que chegasse a eles, conspiraram contra ele para o matarem. E disseram um ao outro: Eis lá vem o sonhador-mor! Vinde, pois, agora, e matemo-lo, e lancemo-lo numa destas covas, e diremos: Uma fera o comeu; e veremos que será dos seus sonhos." – Gn 37:18 a 20

José enfrentou uma oposição dentro do seu lar que quase o levou a morte. Seus irmãos não aceitavam aquilo que os seus sonhos declaravam, ou seja, que eles um dia viriam a se curvar diante dele. Muitos de nós temos passado por grandes perseguições dentro dos nossos lares, seja pelos nossos pais, irmãos, esposos ou esposas. O próprio Jesus já havia previsto isto: "Não penseis que vim trazer paz à terra; não vim trazer paz, mas espada. Pois vim causar divisão entre o homem e seu pai; entre a filha e sua mãe, e entre a nora e sua sogra. Assim os inimigos do homem serão os da sua própria casa." – Mt 10:34-36.

Eles ainda não compreendem que os sonhos que temos para o nosso lar não são para nossa exaltação, mas que Deus quer nos usar como instrumentos de salvação e benção para nossa família. Nossa luta não é contra a carne. Não adianta tentarmos vencer com palavras ou discussões. Mesmo diante das perseguições devemos perseverar crendo, pois no tempo do Senhor aqueles que nos perseguiam e queriam matar os nossos sonhos, serão aqueles que receberão o livramento através de nossas vidas, assim como foi com José.

2. Enfrentar o tempo de servidão crendo que é temporário, e que serve de habilitação para o resgate de nossa casa Gn 39:1-5 - "E José foi levado ao Egito, e Potifar, oficial de Faraó, capitão da guarda, homem egípcio, comprou-o da mão dos ismaelitas que o tinham levado lá. E o Senhor estava com José, e foi homem próspero; e estava na casa de seu Senhor egípcio. Vendo, pois, o seu Senhor que o Senhor estava com ele, e tudo o que fazia o Senhor prosperava em sua mão, José achou graça em seus olhos, e servia-o; e ele o pôs sobre a sua casa, e entregou na sua mão tudo o que tinha. E aconteceu que, desde que o pusera sobre a sua casa e sobre tudo o que tinha, o Senhor abençoou a casa do egípcio por amor de José; e a bênção do Senhor foi sobre tudo o que tinha, na casa e no campo."

Logo após ser traído por seus irmãos, José foi vendido como escravo. Ali começava um tempo muito difícil em sua vida: o tempo da servidão. Aqueles que o vissem nessa condição, sabendo dos sonhos que ele havia tido, poderiam dizer: "E agora? Será que os teus pais e irmãos se curvarão diante de um escravo? Será que você será instrumento de salvação para tua casa? Veja a condição em que você se encontra: escravo em uma terra estranha". Talvez seja isso que temos ouvido dentro dos nossos lares:"Você agora virou crente, mas continua desempregado?"; "Você precisa ajudar em casa senão vai ter que se virar sozinho"; "Você só pensa nessa história de igreja, e tua vida profissional? E teus estudos?". Talvez nossa condição atual seja totalmente incoerente com o que temos sonhado, mas a Palavra do Senhor não volta vazia e não volta atrás, pois Ele tem um grande livramento para tua vida. Batalhe e trabalhe muito mais do que antes, honre teu patrão, busque se aperfeiçoar e crescer, e saiba que assim como José você vai ser próspero mesmo em meio a servidão, e teus familiares e todos os que te cercam serão abençoados através da tua vida.

3. Enfrentar as injustiças e calúnias, pois a despeito das prisões de hoje, Deus tem o restabelecer da nossa honra – Gn 39:7-23 José passou por mais um momento muito difícil em sua vida, sendo acusado de tentar violentar a esposa de seu Senhor. É muito difícil ser injustiçado, pois sermos acusados de algo que não fizemos gera em nós um sentimento de revolta. Quando dizem algo de nós que não corresponde a verdade há um anseio natural por esclarecer a situação o mais rápido possível. O que vemos na vida de José é que em primeiro lugar ele fugiu do pecado, pois sabia que aquela brecha poderia ser fatal para o seu futuro e o de seus familiares. Assim também temos que fugir das tentações para que possamos ser um bom testemunho para aqueles que nos cercam. Em segundo lugar ele se manteve fiel ao Senhor, sem revolta, mas em paz, pois mesmo na prisão ele prosperou.

Uma das armas do inimigo é a acusação, e é muito comum que ouçamos acusações de nossos familiares, de nossos amigos que não conhecem a Jesus: Você é cristão, mas ainda faz isso? Você vai a igreja todo o dia e tem essa reação? É muito comum que estas pessoas esperem exatamente uma falha nossa para justificar a sua rejeição a Palavra. Por isso é tempo de buscarmos do Senhor a libertação para todas as áreas que ainda nos prendem e termos uma conduta irrepreensível, para que sejamos sal e luz em nossos lares.

O PROCESSO DE RESTAURAÇÃO

O Senhor tinha algo muito especial preparado para José. Temos nele um exemplo de fidelidade e esperança, pois mesmo em meio a tamanhas dificuldades, ele não se deixou abater, mas permaneceu firme, sabendo que quem lhe havia feito a promessa é fiel. Depois de um tempo de aflições, aproximadamente 13 anos, finalmente inicia-se em sua vida um maravilhoso processo de Deus:

1. Viver a restauração plena dos relacionamentos – Gn. 41:14,38-44
O nosso Deus é um Deus de restauração. Para tudo aquilo que o inimigo imaginava ter tirado ou destruído na vida de José, o Senhor já havia preparado uma grande reconstrução, pois um lugar de honra estava preparado para ele. Assim também Ele vai te levantar de uma forma nova, restaurado, e vai te colocar num lugar de honra, numa posição que vai te habilitar para que você seja instrumento de libertação e salvação para os teus amados.

2. Viver a liberação total dos sentimentos familiares através do perdão, esquecendo as mágoas do passado – Gn. 50:15-21
Apesar de todo o mal que seus irmãos intentaram contra ele, José os perdoou e os abençoou. Da mesma forma, temos que entender que aqueles que têm nos afrontado e perseguido virão a nossa presença para nos pedirem perdão. As pessoas podem até falar mal, nos caluniar e intentar o mal contra nós, mas na hora da aflição elas virão nos procurar. Temos que ter em nossos corações o mesmo sentimento de José, para não deixarmos que nenhuma mágoa permaneça em nossos corações, pois devemos entender a fraqueza daqueles que nos tem afrontado, pois estes não entendem as coisas espirituais e agem ainda segundo os padrões naturais.

3. Viver a benção de Abraão e contemplar a salvação dos nossos familiares – Gn. 45:5-11; 46:2-4
Deus tinha um grande e maravilhoso plano para o povo de Israel. As promessas feitas a Abraão seriam cumpridas a despeito de tudo. Por isso Ele na sua infinita sabedoria preparou a ida de José ao Egito, para que toda a família de Jacó e seus servos fossem salvos da fome que assolava a terra. Da mesma maneira seremos instrumentos de salvação, de provisão e libertação para todos aqueles que nos cercam nos posicionando como José, permanecendo firmados nas promessas, pois a palavra de At. 16:31 se cumprirá em nossas vidas.

Por www.levandoapalavra.com
Tema: Um Casamento Desfeito e Restaurado

Tema: Um Casamento Desfeito e Restaurado



Um Casamento Desfeito e Restaurado

Oséias: Um Casamento Desfeito e Restaurado

Deus escolheu a história triste e sórdida deste profeta de coração partido, a fim de revelar o Seu coração e manifestar o Seu amor.
Decepcionado no Amor

A história de Oséias aconteceu na cidade de Samaria. Oséias encontrou, amou e mais tarde se casou com uma jovem mulher chamada Gômer. Gômer deve ter sido arrebatada por este homem de coração heróico, apaixonado como um poeta e zeloso como um santo. Ainda que Deus conhecesse bem o desenrolar desse relacionamento, deu sua permissão para que Oséias cassasse com Gômer. "...Disse, pois, o SENHOR a Oséias: Vai, toma uma mulher de prostituições e filhos de prostituição; porque a terra certamente se prostitui, desviando-se do SENHOR". (Oséias 1:2) A vida de qualquer homem é abençoada ou amaldiçoada conforme a mulher com quem se casa. Logo que Oséias encontrou Gômer, deve ter pensado que ela era tão pura como o lírio do vale do seu poema favorito - Cântico dos Cânticos de Salomão. Ele deve ter esperado que o seu futuro fosse repleto de bênçãos e alegria.Mas à medida em que se passavam os dias e ele ia conhecendo-a melhor, começou a ficar decepcionado.

Será que as pétalas de sua pureza já não haviam sido arrancadas e pisoteadas pelas paixões de homens vis e impuros antes do casamento? Será que Oséias estava ocupado demais para dar à sua jovem esposa a atenção de que ela necessitava? Talvez jamais venhamos a sabê-lo. Sabemos apenas que o coração de Gômer se afastou do marido e que ela foi em busca do afeto de outros amantes.Oséias deve ter notado e sofrido com esse esfriamento da afeição da esposa. E não foi esse o único fardo colocado sobre o seu coração. Ele também via sua nação, a nação de Israel, afastando-se de Deus. Tinha havido uma série de vitórias militares sob o rei Joás, cujo filho Jeroboão II continuou o seu sucesso militar e prosperidade, ganhando para si um reinado de quarenta e um anos. Contudo o Rei Jeroboão afastou de Deus o coração do seu povo. "E fez o que era mau aos olhos do SENHOR; nunca se apartou de nenhum dos pecados de Jeroboão, filho de Nebate, com que fez pecar Israel" (2 Reis 14:24).

Oséias pôde observar que sua nação, embora próspera, eventualmente iria cair vítima da máquina bélica da Assíria, a não ser que se arrependesse do seu pecado. Dia após dia, Oséias regressava ao lar com o fardo de uma nação decadente pesando em seu coração. Noite após noite, ele ficava acordado, a ponto de prejudicar-se, aguardando o regresso da esposa ao lar.Certamente ele deve ter orado e visto como era um homem piedoso, levou o seu fardo ao Senhor.
Filhos do Adultério
Foi então que Gômer deu à luz um bebê. Para Oséias isso seria uma renovação de esperança. Talvez quando ele segurou aquele menino nos braços, deve ter raciocinado: "Foi Deus quem o fez. Pois este garotinho tomará uma mão gorducha e a colocará ao redor do meu peito e com a outra enlaçará o coração de Gômer e manterá nossas vidas unidas"."E disse-lhe o SENHOR: Põe-lhe o nome de Jizreel; porque daqui a pouco visitarei o sangue de Jizreel sobre a casa de Jeú, e farei cessar o reino da casa de Israel" (Oséias 1:4).
Na língua hebraica "Jizreel" significa "se livrar de alguma coisa", deixar algo de lado. Era também o nome de uma cidade que havia desempenhado um papel trágico na história de Israel. A terrível apostasia sob o Rei Acabe e a Rainha Jezabel havia chegado a um desfecho ameaçador, quando a rainha foi atirada de uma janela do seu palácio e o seu corpo foi devorado por cães, nas ruas de Jizreel.Então quando Deus disse a Oséias que chamasse o seu filho de Jizreel, ele estava tornando o garoto e sua família, uma lição ilustrativa da relação de Deus com o seu povo. É como se hoje um pai judeu chamasse o filho de Dachau, ou Bergen-Belsen, nomes dos campos de horror de Hitler, onde milhões de judeus foram massacrados durante a II Guerra Mundial. Esses nomes, soando aos ouvidos de um judeu hoje em dia, iriam arrancar do cemitério das memórias, fantasmas dos dias passados.Desse modo, Jizreel era um lembrete a Israel do relacionamento de Deus com o seu povo.

Cada vez que Oséias chamasse o seu filho para brincar, cada vez que o chamasse no mercado, esse nome iria soar aos ouvidos de um judeu piedoso como uma nefasta lembrança de que no passado Deus havia sido fiel para lidar com o pecado da nação. Contudo, apesar do filho pequeno, Gômer não mudou. "E tornou ela a conceber, e deu à luz uma filha. E Deus disse: Põe-lhe o nome de Lo-Ruama; porque eu não tornarei mais a compadecer-me da casa de Israel, mas tudo lhe tirarei" (Oséias 1:6). Este nome significa "desgraça" ou "sem misericórdia". Depois que Lo-Ruama foi desmamada, Gômer gerou uma terceira criança - o segundo filho. Por ordem de Deus este foi chamado Lo-Ami.Esses três nomes dos filhos de Oséias significam duas coisas.
Primeiro, eles nos dão um esboço do que iria acontecer à nação de Israel. Segundo, eles nos dão um relance quanto ao que iria acontecer com a família do profeta. Pois este terceiro nome Lo-Ami, significa não meu povo. Mostram que em sua amargura e sofrimento de coração, Oséias foi dominado por uma suspeita que se tornou uma certeza condenatória de que essas crianças geradas em seu lar não eram de modo algum seus filhos!
Indo atrás de uma Esposa Infiel
Muito embora Gômer vivesse em adultério, Oséias não quis divorciar-se dela. O que aconteceu depois pode ser avaliado, conforme a mensagem de Deus dada por Oséias ao seu povo no Capítulo 2. Parece que Gômer o abandonou. Quem sabe ela deixou um bilhete pregado na porta, dizendo-lhe que estaria indo embora para viver sua própria vida, deixando as crianças com Oséias, e que este não deveria ir atrás dela.
Então podemos visualizar o profeta, à noite, colocando na cama, seus filhos para dormir. Ele tem de ser pai e mãe ao mesmo tempo. Ele lhes dá o jantar frugal e escuta suas orações e depois fica velando até que adormeçam. Mas Oséias continua insone. Muito embora Gômer tenha abandonado o lar, não abandonou o seu coração. Provavelmente, quando Gômer abandonou Oséias, pensou que iria melhorar de vida. "Porque sua mãe se prostituiu; aquela que os concebeu houve-se torpemente, porque diz: Irei atrás de meus amantes, que me dão meu pão e a minha água, a minha lã e o meu linho, o meu óleo e as minhas bebidas" (Oséias 2:5). Talvez ela tivesse sido iludida por promessas de alimentos exóticos e roupas excitantes. Mas, como sempre acontece com as pessoas que trilham esse desastroso caminho, que a princípio parece conduzir às alturas, de repente muda e cai até às profundezas.

Todo esse tempo Oséias ficou observando a trilha degradante seguida pela esposa. Eventualmente parece que Gômer caiu nas mãos de um homem incapaz de prover suas necessidades básicas da vida. Mesmo sem o amor da esposa, Oséias deve ter decidido prover suas necessidades. Podemos imaginá-lo indo à casa do amante dela, apresentando-se e dizendo: "O senhor é o homem que está vivendo com Gômer, filha de Diblaim? O homem responde: "Bem, e se eu for?" Oséias diz: "Sou o marido dela". O homem fecha o punho e se prepara para a luta. Oséias diz: "Não, o senhor não entende. Veja, eu amo minha esposa. Amo-a profundamente e gostaria de saber se o senhor receberia um pouco do meu ouro e da minha prata para comprar as coisas de que ela precisa". O homem olha espantado o profeta. Contudo, ao ver a prata na palma de sua mão, ele pensa: "não existe um tolo maior do que um velho tolo", e concorda com a proposta do profeta.Vocês me diriam: "Não é lógico um homem pagar em sonante prata e ouro pela manutenção de uma mulher que foi falsa com ele". E concordo plenamente.
Mas o caso é que, conforme se vê, Oséias não está agindo pela lógica. Está agindo por amor! "O coração tem razões que a própria razão desconhece" (Blaise Pascal). Pois o amor é de Deus e é infinito. "Amados, amemo-nos uns aos outros; porque o amor é de Deus; e qualquer que ama é nascido de Deus e conhece a Deus" (1 João 4:7). Oséias está desempenhando com Gômer o papel que Deus tem desempenhado com você e comigo, durante toda a nossa vida.Vejamos então este libidinoso crápula, voltando para casa. Seus braços estão cheios de coisas compradas com o dinheiro de Oséias. Gômer sai da cabana, vê o amante com os braços cheios de provisões e se atira sobre ele enlaçando-o e agradecendo pelo que ele fez.Em algum lugar por trás das sombras, vemos Oséias. Ele tem uma rápida visão de Gômer e esta lhe enche o coração.

Ele vê quando Gômer extravasa o seu afeto pelo sensual amante, agradecendo as coisas que o amor do marido lhe proveu. Em lágrimas Oséias diz: "Ela, pois, não reconhece que eu lhe dei o grão, e o mosto, e o azeite, e que lhe multipliquei a prata e o ouro, que eles usaram para Baal" (Oséias 2:8).Antes de se zangar com uma mulher como Gômer, gostaria de lembrar-lhe que você e eu temos feito exatamente isso com Deus. É de Sua mão que recebemos o dom da vida. Dele temos recebido o alimento para nossas mesas e as vestes para nossos corpos. Contudo, quão depressa agradecemos a todos e a tudo, exceto a Deus, que no-los deu. Agradecemos aos amigos, ao governo, agradecemos o nosso vigor físico, a tudo e a todos, exceto a Deus, de quem provêm as bênçãos.
Redimindo a Rebelde
Em Oséias 2:9-23, Deus anuncia o seu plano de dupla face, no sentido de ganhar de volta o seu povo. Primeiro ele diz que lhe trará dureza, privando-o de todos as boas coisas da vida: "Portanto tornarei a tirar o meu grão a seu tempo e o meu mosto no seu tempo determinado; e arrebatarei a minha lã e o meu linho, com que cobriam a sua nudez" (Oséias 2:9).Em seguida, quando o seu povo cair na maior miséria, Deus começará a "cortejá-lo" novamente, procurando ganhar-lhe de volta os corações. "Portanto, eis que eu a atrairei, e a levarei para o deserto, e lhe falarei ao coração" (Oséias 2:14). Tanto a justiça como o amor de Deus, fazem parte do seu plano. Nem a Sua justiça nem o Seu amor permitir-lhe-ão abandonar o seu povo.Será que Deus nos ama desse modo? Saltando das fontes escriturísticas, está a verdade de que Deus nos ama exatamente assim. Deus dá ao homem o metal da mina. Deus dá ao homem as árvores da floresta. Deus dá ao homem a destreza manual. O homem com a sua destreza derruba a árvore. O homem com a sua destreza extrai o metal da mina. Depois do metal extraído e da árvore cortada, o homem com a sua destreza pega essa árvore e faz dela uma cruz. Com sua destreza toma o metal e o transforma em pregos.Em seguida, Deus vem na Pessoa de Jesus Cristo e permite que os homens, com violência cruel, fixem os pregos em suas mãos. Então Ele morre naquela cruz por amor de cada homem que ali o colocou, pelas multidões que zombam ao pé da cruz, pelos soldados que cravaram os pregos em suas mãos.
Ele morre ali por eles e por nós, por você e eu, para que tenhamos os nossos pecados perdoados, a fim de obtermos vida eterna e possamos ir morar no céu, para todo o sempre.No Capítulo 3 descobrimos o último ato deste admirável drama da redenção. Não apenas Gômer caiu nas mãos de um homem incapaz de prover suas necessidades. Ela agora caiu nas mãos de um homem que não queria provê-las. Evidentemente, esse homem decide vendê-la como escrava.Nos dias em que esta história aconteceu, a escravidão era institucionalizada. Alguns historiadores contam que quando uma mulher era oferecida num leilão de escravos, ela era despida de suas vestes e forçada a permanecer de pé diante da multidão curiosa. Foi evidentemente para esse lugar que Gômer fora levada e para lá Oséias fora chamado.Vocês podem imaginar o cochicho da multidão e o comentário que ia de boca em boca, quando esta viu Oséias. As pessoas diziam: "Ele veio para observar o que ela merecia. Ele veio para observar o seu castigo".Então começa o pregão. Alguém oferece dez peças de prata, outro oferece doze. E Oséias diz: "dou quinze peças de prata". Alguém mais diz: "dou quinze peças de prata e um feixe de cevada". Oséias diz: "dou quinze peças de prata e um feixe e meio de cevada".

Soa o martelo e Oséias se apressa em redimir a esposa. "E comprei-a para mim por quinze peças de prata, e um ômer, e meio ômer de cevada" (Oséias 3:2).Enquanto a conduz para longe da multidão, o povo deve ter dito: "é um preço alto pago pela vingança. Por que não apenas deixou que ela fosse vendida como escrava? Por que pagar tanta prata por uma mulher que usou de falsidade?"Mas Oséias não comprou sua esposa a fim de puni-la, mas para redimi-la. "E ele lhe disse: Tu ficarás comigo muitos dias; não te prostituirás, nem serás de outro homem; assim também eu esperarei por ti" (Oséias 3:3). O que Oséias está sugerindo é : "o que você não faria de sua livre vontade, peço-lhe para fazer agora como uma possessão adquirida".Isso é o que depreendemos através de toda a Bíblia. Deus diz que nos ama e porque Ele nos redimiu, pede que O sirvamos.

O apóstolo Pedro disse aos que estavam sob os seus cuidados: "Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes dos vossos pais, mas com o precioso sangue de Cristo" (1 Pedro 1:18,19-a).O apóstolo Paulo escrevendo aos Coríntios, membros de uma igreja culpada de perversão sexual, disse-lhes: "Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus" (1 Coríntios 6:20).
Lições de Oséias
A primeira lição de Oséias é esta: se você fosse servir a Deus, de hoje até o dia de sua morte, ele não o amaria mais do que o ama agora. Porque Deus não o ama por causa do que você faz. Deus o ama apesar do que você faz. Somos supremamente amados e porque temos sido tão amados, retribuímos com adoração, serviço, amor e louvor.
A segunda lição talvez seja para homens e mulheres que absolutamente não conhecem a Deus e jamais colocaram sua confiança em Cristo. É uma lição para pessoas de corações partidos e lares desfeitos, com sonhos desfeitos e vidas destruídas. É uma lição para aqueles que das profundezas de suas almas clamam na escuridão da noite: "onde está Deus? Onde está Ele para que eu possa encontrá-Lo?"A resposta do livro de Oséias é: "Deus não está perdido, você é quem está" .Este é o Deus que foi à cruz do Calvário, e em busca dos homens, através do túnel de um túmulo vazio. Sempre e sempre Ele os procura para trazê-los de volta até Ele.Quando os homens gritam: "onde está Deus?" A resposta é sempre a mesma.Deus está aqui mesmo. Ele está esperando por você. Ele pede que você venha até Ele. Ele o espera para enlaçá-lo com o Seu amor. Ele o apressa a vir pela fé, a fim de conhecê-Lo e conhecer a significação do amor na verdadeira profundidade do seu coração.

Traduzido por Mary Schultze para OIKOS - Ministério Cristão de Apoio à Família