Tema:Casamento Cristão: Respeitando o seu Marido
“Você tem um minuto?”, perguntou-me uma mulher quando deixei o púlpito e me dirigi a uma mesa nos fundos para autografar livros. Ela estava quieta, mas eu podia sentir o seu desespero.
“Claro que
 sim”, respondi.
“É sobre o meu marido; eu já não o respeito, e não sei o que fazer sobre isso. Estou frustrada. As coisas não vão bem entre nós há muito tempo. Eu queria desistir, mas sei que esta não é a atitude mais ‘cristã’ a tomar. Eu tento. De verdade, eu tento, mas as coisas nunca melhoram”, disse ela, com lágrimas inundando os seus olhos. Pela maneira como mantinha a sua voz baixa e pelos seus constantes olhares para certificar-se de que não houvesse ninguém próximo o suficiente para ouvir a nossa conversa, suspeitei que as outras mulheres que, como ela, freqüentavam os cultos naquela igreja, não fizessem idéia de sua mágoa.
Meu coração doeu por esta mulher, porque eu conhecia a sua dor. A dor profunda e constante escondida por trás dos risos e do exterior perfeito. Se dez mulheres estivessem em fila, e você tivesse que escolher aquela que julgasse estar à beira do divórcio, esta seria a última a ser escolhida. Já fui como ela.
“Você diz que não o respeita mais?”, perguntei, esperando identificar superficialmente a fonte de sua dor.
“Ele já cometeu tantos erros, e honestamente não consigo encontrar uma razão para respeitá-lo”, ela respondeu.
“Embora não conheça as suas circunstâncias, entendo o sentimento de querer desistir do seu casamento. Houve uma época em meu casamento em que eu também quis desistir. Mas não o fiz, porque Deus me deu um versículo que modificou a minha perspectiva com relação ao casamento. Você já ouviu falar do versículo em que Jesus diz: ‘E, respondendo o Rei, lhes dirá: Em verdade vos digo que, quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes’ (Mt 25.40)? Esse versículo me ajudou a entender que, quando eu estava tão frustrada ou zangada com o meu marido que já não conseguia respeitá-lo nem mostrar-lhe alguma bondade, ele se tornava, aos meus olhos, o “menor dos irmãos” de Jesus. Essa ocasião tornou-se uma época oportuna para fazer alguma coisa preciosa para Jesus. Se eu amar o meu marido quando ele não for digno de ser amado, tocarei o coração de Deus”.
Os olhos dela brilharam. “Você acha que conseguiria tirar o seu marido da equação, e considerar o respeito que você dedica a ele como sendo o respeito que você dedica a Jesus; ou ainda será que poderia considerar que servindo a ele estará servindo a Jesus; e que amá-lo também seria uma prova de seu amor a Jesus?”, perguntei.
“Acho que consigo fazer isso. Obrigada”, ela disse, e enxugou as lágrimas, levantou a cabeça e foi embora.
Pode ser que nós nunca saibamos até que ponto Jesus toma para si os nossos atos para com os nossos maridos, mas sei o seguinte: quando sirvo, amo e respeito o meu marido como fazendo-o a Jesus, modifico as minhas atitudes. É como se Deus falasse ao meu cora¬ção com esse versículo e mudasse a minha perspectiva para sempre.
Observe como Deus modificou o coração da irmã Mary Rose McGready, presidente da Covenant House, o maior abrigo para crianças sem lar da América. Em seu livro, Please Help Me God, onde ela escreve sobre um pedido de ajuda a Deus, está escrito: “Na rua, vi uma garotinha tremendo, em um vestido fino, com pouca esperança de conseguir uma refeição decente. Fiquei zangada e pergun¬tei a Deus: ‘Por que você permite isso? Por que você não faz alguma coisa a respeito disso?’ E Deus respondeu: ‘Com certeza fiz alguma coisa a respeito disso; fiz você’”.’ Dizemos que os nossos maridos não são compreensivos.
Dizemos que não são sensíveis. Fazemos longas listas daquilo que falta aos nossos maridos. Com certeza Deus fez alguma coisa a este respeito: Ele nos criou! Lembra-se do Jardim do Éden? A única vez em que Deus disse que alguma coisa não estava bem enquanto criava os céus e a terra, foi em Gênesis 2.18: “E disse o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma adjutora que esteja como diante dele [ou, que lhe seja idônea]“. Então o Senhor criou a mulher para ser uma ajudante adequada para o homem para ajudá-lo a ser o que Deus pretendia que ele fosse.
Joel, um dos homens que entrevistei durante a preparação deste livro, trouxe-me um grande esclarecimento sobre este tema. Ele disse Pergunte a cada esposa o que gostaria que seu marido fosse: Um líder espiritual melhor? Mais compassivo? Um pai melhor? Um mantenedor melhor? Comece construindo sobre o que já está lá, mostrando respeito e dando incentivo. Talvez ele ore uma vez durante uma refeição em família; construa sobre isto. A partir daí ele pode tornar-se um grande líder espiritual”.
O texto em Provérbios 31.10-12 diz: “Mulher virtuosa, quem a achará? O seu valor muito excede o de rubis. O coração do seu marido está nela confiado, e a ela nenhuma fazenda faltará. Ela lhe faz bem e não mal, todos os dias da sua vida”. O versículo 23 continua “Conhece-se o seu marido nas portas [ou, o seu marido é respeitado nas portas da cidade], quando se assenta com os anciãos da terra”. O que será que o seu marido pode se tornar se tiver o seu respeito, o seu apoio e o seu incentivo? Dar-lhe respeito, quer o me¬reça ou não, é uma atitude que agrada a Deus e transformará seu marido. Esta maneira de agir fez maravilhas no meu casamento.
Construindo o seu Relacionamento – Tenha hoje a atitude e o coração de um servo. Procure maneiras de servir ao seu marido como serviria a Jesus.
Pensamento para o Dia – Mulher virtuosa, quem a achará? O seu valor muito excede o de rubis. O coração do seu marido está nela confiado, e a ela nenhuma fazenda faltará. Ela lhe faz bem e não mal, todos os dias da sua vida.
Provérbios 31.10-1
Trecho do Livro: Cative o coração Dele -Lysa TerKeurst

#Compartilhar

Postagens Relacionadas

Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »

2 comentários

comentários